08/01/2014

OS OLHOS DO AMOR


Aconteceu num dia em que estava com minha filha no zoológico.
Vi uma avó com uma garotinha cujo rosto era todo salpicado de sardas vermelhas e brilhantes.
As crianças estavam esperando numa fila para que um artista pintasse suas faces com patinhas de tigre.

- Você tem tantas sardas que ele não vai ter onde pintar - um menino gritou da fila.
Sem graça, a menininha abaixou a cabeça. A avó ajoelhou perto dela e disse:
- Adoro suas sardas.
- Mas eu detesto - ela replicou.

- Quando eu era menina, sempre quis ter sardas - disse a senhora, passando o dedo pela face da neta - sardas são tão bonitas!
A menina levantou o rosto:
- São mesmo?

- Claro - disse a avó - Quer ver? Me diga uma coisa mais bonita que sardas.
A garotinha, olhando para o rosto sorridente da senhora, respondeu suavemente:
- Rugas.
Aquele momento me ensinou para sempre que, se olharmos para os outros com os olhos do amor, não veremos o que possam ter de feio. Apenas o que têm de bonito.


“Aprendi que um homem só tem o direito de olhar um outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se”.